Últimas

Zezé di Carmargo critica comoção da grande mídia, Globo e PSOL somente pela morte de Marielle


A crítica é a mesma que milhares de brasileiros fazem, principalmente aqueles que tiveram entes queridos perdidos, vítimas da violência.



Zezé Di Camargo comentou sobre a morte da vereadora Marielle Franco e criticou a indignação seletiva sobre o assunto, quando a grande mídia, Globo e o PSOL pediram justiça e celeridade apenas pela morte da ativista e não teve o mesmo sentimento e holofotes com a morte de milhares de brasileiros assassinados diariamente, também vítimas de violência.

Levando para o crime de gênero, o destaque é para a médica Gisele Palhares Gouveia, também assassinada a tiros no Rio, mas em 2016, mulher, que ajudava pessoas e salvava vidas.

Em post no Instagram, o cantor diz não entender porquê essa morte não teve tanta repercussão como a da vereadora.




Segundo números da violência no Brasil, 163 pessoas são mortas diariamente. Homens, mulheres, jovens, crianças e idosos, de todas as cores, gerando cerca de 61 mil mortes anualmente, de acordo com dados recentes do IBGE.

A crítica de Zezé di Camargo, quanto cidadão, é a mesma que milhares de brasileiros fazem, principalmente aqueles que tiveram entes queridos mortos, vítimas da violência, e que ninguém na mídia questionou ou chorou a morte dessas pessoas.

Parece que artistas e jornalistas lacradores não se indignam este número assombroso de mortos  "anônimos" diários, que ultrapassam números de guerras anuais pelo mundo.

Que a morte trágica ou violenta de uma figura pública causará mais repercussão da mídia, isso ninguém discute. Mas levantar bandeiras ideológicas e fazer comício em cima de um caixão, aproveitando que o corpo nem havia esfriado ainda para promover divisão social, no caso do PSOL, pra fazer parecer que somente mortes de mulheres negras fossem mais chocantes do que as demais mulheres, homens, crianças, adolescentes e cidadãos de modo geral, mostra o tamanho do desrespeito até pelos seus pares políticos falecidos e deixam claro que o que importa é a bandeira do partido e não a vida ou morte de alguém.





Nenhum comentário