Últimas

PM's que salvaram o bebê jogado da ponte do São Francisco, poderão ser condecorados por ato de bravura


HERÓIS: O menino estava enterrado na lama até o pescoço e poderia ter morrido sufocado se os PM's não tivessem chegado à tempo.



Os dois policiais que estavam de folga quando resgataram o bebê de sete meses, jogado pela mãe do alto da ponte do São Francisco, no domingo, 18, poderão ser condecorados por ato de bravura.

O bebê foi socorrido pelos soldados Pestana e Herbert quando eles retornavam de um treino de futebol, em uma moto e perceberam dois homens com a mãe, Carla Regina Mendes, 20, no alto da ponte, informando que o bebê havia sido jogado na maré.


De imediato, os dois entraram na lama, que chegava à cintura, e salvaram o menino, que estava enterrado até o pescoço e que poderia ter morrido sufocado se não tivessem chegado à tempo. A criança teve leves escoriações devido a queda e passa bem.

O tenente coronel Andrade, comandante do Batalhão Tiradentes, considerou a condecoração dos PM's pela bravura e parabenizou os policiais pelo sucesso da missão e heroísmo dos PM's:

"Muita gente acha que a polícia é só prender ladrão... não! Polícia é atender a sociedade de maneira honrosa. O ato desses 'dois meninos' que compõem o Batalhão Tiradentes, muito engrandece a instituição e engrandece também a nossa sociedade!", finalizou o cel. Andrade.




A mãe da criança, Carla Regina, sofre de distúrbios psiquiátricos, possivelmente causados por depressão, e já esteve internada por três vezes na Clínica São Francisco. 

Seu padrasto revelou na delegacia que ela foi estuprada e quando na Clínica São Francisco e que quando estava com seis meses de gestação, a família resolveu levá-la para casa e fazer denúncia pelo descaso e omissão da clínica.

Carla deve passar por exame psiquiátricos. O caso de estupro deverá ser investigado.


Nenhum comentário