Últimas

Empresas de coletivos querem reajuste para R$ 3,60 nas passagens em São Luis

As empresas consorciadas querem um reajuste de 26,7%, passando a tarifa média de R$ 2,90 para R$ 3,60. 
“As empresas do sistema de transporte público de São Luís precisam de remuneração justa para poder funcionar, oferecendo um serviço de qualidade à população. Hoje operamos no limite”. A afirmação é do superintendente Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET), Luís Cláudio Siqueira, justificando pedido de reajuste de tarifas à Prefeitura, com base no cumprimento da tarifa de contrato (ou remuneração) estabelecido no edital de licitação do transporte.
Siqueira considera “crítica” a situação das empresas, tendo em vista os altos investimentos que foram feitos em um ano, com a aquisição de 220 ônibus novos - sendo 20 articulados - totalizando R$ 80 milhões. As concessionárias alegam ainda que ocorreram reajustes de preços do diesel e de outros insumos, além dos compromissos de cláusulas da convenção coletiva de trabalho.
“As empresas precisam com urgência da tarifa de remuneração, para que haja equilíbrio econômico-financeiro do contrato com a Prefeitura. Hoje está existindo um desequilíbrio na relação contratual”, afirmou o superintendente.

KIT DUO I9 - SILVER

Perfume AEROSOL masculino com creme para corpo de mesma fragrância 
Dificuldade
Ele admitiu que, em razão do não cumprimento da tarifa de contrato, algumas empresas estão enfrentado dificuldades para cumprir suas obrigações trabalhistas, conforme alega o Sindicato dos Rodoviários, citando, como exemplo, atraso no pagamento de salários e tíquetes alimentação e o adiantamento salarial no dia 20 de cada mês. “Tudo isso é reflexo direto da falta de remuneração dos serviços, que causa desequilíbrio financeiro de todo o sistema”, assinalou Cláudio Siqueira. Ele observa que o reajuste tarifário deveria ter ocorrido em setembro deste ano.
Ainda segundo os consórcios, o pedido de reajuste foi encaminhamento formalmente à Prefeitura no dia 31 de agosto deste ano. Foi estipulado um prazo de até 30 dias para que o Município informasse sobre a possibilidade de reajuste tarifário, o que não aconteceu.
O último reajuste de tarifas ocorreu em março de 2016. A tarifa mais barata (R$ 1,90) passou para R$ 2,20. Já a tarifa que custava R$ 2,20 subiu para R$ 2,50. Por fim, o nível 4 (considerada a tarifa mais cara) passou de R$ 2,60 para R$ 2,90. Outra mudança nos valores tarifários em São Luís foi registrada em março de 2015. À época, as tarifas subiram 16%, mas após reivindicações feitas por grupos sociais nas ruas e avenidas da cidade, a Prefeitura cancelou o aumento.
O superintendente do SET disse ainda que, além das “perdas de arrecadação” registradas este ano, as empresas enfrentam a concorrência ilegal do transporte de carrinhos, além da gratuidade no sistema de transporte.
Edital prevê revisão
Segundo o edital de licitação de transporte e conforme previsto em seu item 3.1 referente à “manutenção do equilíbrio econômico-financeiro da concessão”, neste caso, é assegurado à concessionária o reajuste anual do que o edital de licitação denomina de “tarifa de remuneração”. De acordo com o documento, o reajuste seria concedido “por ato do poder concedente”.
A Prefeitura foi procurada, mas não respondeu até fechamento desta edição.
Rodoviários paralizaram
Os motivos que levaram o Sindicato dos Rodoviários a incentivar que os trabalhadores cruzem os braços são os constantes atrasos nos pagamentos de salários e de outros benefícios a que a categoria tem direito, como o tíquete-alimentação. As empresas têm ciência que os salários devem ser pagos até o quinto dia útil do mês. Esta, inclusive, é uma das cláusulas da 

Convenção Coletiva de Trabalho, mas quase todos os meses os empresários descumprem a determinação.



Atualmente, são cerca de seis mil rodoviários a exercer a atividade no transporte público de São Luís, que sofrem as consequências dos constantes atrasos, segundo o sindicato. Motoristas, cobradores e fiscais vão ao sindicato todos os dias e denunciam a falta de compromisso dos empresários.

Reforma

Além das questões envolvidas na pauta local, a paralisação por três horas hoje também é uma reposta à aprovação da Reforma Trabalhista, que deve entrar em vigor nos próximos dias. O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão reivindica os interesses da categoria, mas também apoia o movimento, organizado em São Luís por diversas entidades, entre elas a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Terrestres (CNTTT), que deve ser marcado, pela manhã, por um grande ato na Praça Deodoro, e à tarde pelo Encontro de Entidades, que acontecerá a partir das 14h, na sede do Sindicato dos Rodoviários. O movimento tem o intuito de defender as conquistas dos trabalhadores brasileiros e forçar o Governo Temer a modificar as regras da Reforma Trabalhista, que mais parece querer escravizar os brasileiros.

O Estado MA

Nenhum comentário