Últimas

27 universidades portuguesas aceitarão notas do ENEM


O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) fechou recentemente um convênio com o Instituto Politécnico da Maia (Ipmai), de Portugal, para que estudantes brasileiros possam usar as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como critério de ingresso na instituição. 

Com isso, já são 27 as instituições de ensino superior portuguesas que aceitam o Enem. 

As instituições portuguesas que usam o exame podem definir qual será a nota de corte para o acesso dos estudantes brasileiros aos cursos ofertados. A revalidação de diplomas e o exercício profissional no Brasil dos estudantes que cursarem o ensino superior em Portugal estão sujeitos à legislação brasileira aplicável à matéria. O primeiro convênio interinstitucional foi firmado em 2014, com a Universidade de Coimbra. 

Os convênios não envolvem transferência de recursos e não preveem financiamento estudantil por parte do governo brasileiro. 


 Lista das instituições portuguesas:
  1. Universidade de Coimbra
  2. Universidade de Algarve
  3. Instituto Politécnico de Leiria
  4. Instituto Politécnico de Beja
  5. Instituto Politécnico do Porto
  6. Instituto Politécnico de Portalegre
  7. Instituto Politécnico do Cávado e do Ave
  8. Instituto Politécnico de Coimbra
  9. Universidade de Aveiro
  10. Instituto Politécnico de Guarda
  11. Universidade de Lisboa
  12. Universidade do Porto
  13. Universidade da Madeira
  14. Instituto Politécnico de Viseu
  15. Instituto Politécnico de Santarém
  16. Universidade dos Açores
  17. Universidade da Beira Interior
  18. Universidade do Minho
  19. Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário
  20. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
  21. Instituto Politécnico de Setúbal
  22. Instituto Politécnico de Bragança
  23. Instituto Politécnico de Castelo Branco
  24. Universidade Lusófona do Porto
  25. Universidade Portucalense
  26. Instituto Universitário da Maia (Ismai)
  27. Instituto Politécnico da Maia (Ipmai)

Nenhum comentário